[SIN] KILLER: [Review] Sacred Warrior - Waiting in Darkness (independent) 2013

segunda-feira, outubro 21, 2013

[Review] Sacred Warrior - Waiting in Darkness (independent) 2013


Já faz mais de duas décadas desde que o Sacred Warrior lançou um álbum de estúdio. Nesse tempo a banda continuou a fazer  shows aqui e ali e até lançou um álbum raw ao vivo gravado no Cornerstone que mostrava algumas canções novas. Nenhuma dessas músicas entraram nesse release 2013 independente. Claro que a maior surpresa para muitos fãs será a ausência do vocalista Ray Parra, que sempre foi a voz d o Sacred Warrior. Ray foi substituído pelo igualmente competente Eli Prinsen, do The Sacrificed,  Prinsen não soa igual  ao Parra mas ele pode acertar todas as notas altas, os gritos  e é certamente capaz de fazer as partes clean, similar assegurando o ataque power metal. No entanto, por causa da diferença de Eli,  este novo Sacred Warrior às vezes parece  com The Sacrificed do  que o Sacred Warrior clássico. Guerreiro. Isso não é necessariamente uma coisa ruim, mas se alguém está esperando "Masters Command Parte II",  vão se decepcionar.

O que é mais surpreendente é que este álbum é heavy metal, com ênfase na palavra heavy. Não há nada que seja fraco neste álbum, qualquer coisa, além do fato da presença de duas faixas que eu descreveria como baladas. O álbum abre com a puro heavy, "Desperately Wicked". Ao contrário da tendência atual de apostar no down-tuning  para obter um som heavy, o Sacred Warrior escreve riffs pesados. O track  follow -up é um pouco mais progressivo e melódico, com vocais de fundo por camadas e um gancho killer.
"Sinking Sand" realmente tem o som clássico do Sacred Warrior. Esta canção poderia ter sido escrita e gravada para o disco. "Obsessions" . "Long Live the King" é uma das músicas mais imediatamente cativantes do álbum e é levada por um crunchy, embasado no groove e  riffs.  "Fallen Hero" e "Love Jealous " são as duas faixas mais suaves do álbum, ambas estão repletas de emoção , sendo a última uma plena canção de  adoração. O álbum inteiro é salpicado com alguns  trabalho ótimos de guitarra, incluindo alguns dos melhores solos de Bruce Swift . O álbum termina com a banda re-gravando  dois tracks antigos, Day of the Lord do debut,  e "Templos on Fire " de seu último, "Obsessions" . Felizmente  O SW tem escolhido o caminho do heavy metal tradicional e power metal , em oposição a algo mais na moda.
Este é um álbum que vai agradar seus novos fãs e tem apenas o suficiente, de um toque de modernidade para puxar  também os fãs mais jovens  power e progressive metal.

By Scott Waters

Esse e mais reviews, você encontra no link acima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Please 'Like' all the time... If necessary, use words...

News

Instagram

Postagens populares

Pesquisar este blog