[SIN] KILLER: [Interview] Final Surrender : O que metal da India tem pra nos oferecer???

domingo, novembro 10, 2013

[Interview] Final Surrender : O que metal da India tem pra nos oferecer???

Tudo que é inspiracional é bem vindo aqui e é com esse sentimento que compartilho (posts) tudo aqui. A banda que você vai lê a entrevista a seguir, tem tudo isso e muito mais pra nos oferecer. Você vai se encantar com a história do Final Surrender, de Bangalore/India, que faz parte da atual revista HM, com o Impending Doom na capa. (Free em pdf). Não esqueça de agradeçer a HM por mais um grande trabalho!

FINAL SURRENDER
The best metal India has to offer
By Chelc Eaves



English  interview :  http://hmmagazine.com/blog/feature/final-surrender/
"Article translated and reprinted with permission from HM Magazine."

Bangalore é muitas vezes conhecida como a "capital do rock/metal da Índia" por causa de sua cena de música underground, e eu vi um pouco disso quando conheci a banda Final Surrender - originária da Índia  - para conversar sobre o novo álbum da banda, Empty Graves. Ninguém gosta de acordar cedo em uma manhã de sábado, todos os méritos para as diferenças de fuso horário, e não foi agradável quando nossa conexão entre países foi interrompida por várias vezes , prolongando, portanto, a entrevista em mais de três horas.
Embora eu achasse que era muito cedo para as minhas forças serem testadas, fiquei realmente surpreso com o quão inteligentes e sinceros  esses caras se mantiveram. Não seja se deixe levar só pela intensidade que eles põem nas músicas, o modo inteligente deles não se refletiu apenas na música, mas na entrevista também. Isso foi exatamente o tipo de “pratique o que você prega", declaração  que todos nós desejamos de nossos músicos , certo?

Entre as falhas frequentes durante a ligação telefônica, nós também conversamos sobre como é trabalhar com uma gravadora do outro lado do mundo, o que os leva a tocar a música que eles amam e como superar maiores provações ajudou a banda se desenvolver em outros aspectos. Embora o Final Surrender seja uma banda de base, cristã, não se surpreenda se você se sentir tocado de outra forma pelas músicas da banda.

Então me diga um pouco sobre o  Final Surrender e como a banda começou.
Meu baterista, Jared, e eu começamos a gravar demos por volta do final de 2007 e, a partir daí, uma coisa levou a outra. Nós colocamos os membros juntos, um por um, e tudo se encaixou perfeitamente, como um quebra-cabeça. (Jared e eu ) tínhamos essa paixão - forte , em certo sentido - para tocar metal, e começamos como um projeto de dois membros sem nome ou qualquer coisa do tipo, e então decidimos, "por que não levar isso para o próximo nível, formando uma banda na sua plenitude ? "
Onde você conheceu os outros integrantes da banda e há quanto tempo vocês já estão juntos?
Éramos todos músicos de bandas diferentes, e nós compartilhávamos uma amizade mútua tocando juntos nos mesmo circuito musical daqui. Mas a banda se formou, de modo geral,  no final de 2010.
O que levou cada um de vocês a trabalhar com esse gênero ?
Puramente, apenas o amor por isso. Falando de um modo  menos profundo, isso foi também  um  desafio para  reproduzir  as complexas  estruturas rítmicas.
Como a música de vocês evoluiu desde que começaram a tocar juntos?
Nós passamos a respeitar a nossa música muito mais do que antes, sempre evoluímos na intensidade. Por isso é bom progredir nesse direção.
Alguém em particular influenciou o talento artístico/ a música de vocês?
Há um monte de artistas, na verdade, porque cada membro é influenciado por diferentes estilos, mas acho que este gosto pela forma bruta, intensa e agressiva do metal é , provavelmente, o terreno comum que compartilhamos. Mais do que tudo, é o nosso relacionamento com Jesus  que desempenha o papel mais importante no que diz respeito às influências.

O que te inspira a tocar música ?
A Vida. Em todas as suas excentricidades e belezas contrastantes !
Quais são alguns dos maiores obstáculos em trabalhar com um selo de Indiana?
A distância em que vivemos uns dos os outros (risos) ! Quer dizer, foi um conjunto de coisas. Detalhando, eu diria que foi mais uma experiência de aprendizagem trabalhar com um selo musical porque você tende a trabalhar mais duro. Nesse sentido, nem todas as bandas conseguem trabalhar com um selo musical. Eu acho que é bastante apropriado confiar na própria música, acompanhado de uma mesma visão da gravadora, razão pela qual ela aceita trabalhar com você. Desta forma, considero que estamos gostando bastante de trabalhar com a Rottweiler Records, ate agora.
Qual a diferença a entre a resposta internacional e a resposta que vocês recebem do seu país?
Não tem muita diferença, na verdade. Tem sido legal na Índia, e finalmente, as pessoas conhecendo internacionalmente torna isso mais interessante e expande de forma adequada o conhecimento por trás de como diferentes pessoas percebem a nossa música. É um sentimento muito bom saber que as pessoas ao redor do mundo realmente gostam do seu material.

Onde você acha que a sua maior base de fãs está localizada ?
Agora,  em Bangalore, mas eu acho que isso vai se expandir em breve. E sim, há poucas cidades na Índia para onde temos viajado que têm uma base de fãs nossos, como Mumbai, Delhi, Mysore, Nagaland ...

Qual é o show mais longe de casa que você já fizeram?
O mais distante foi em Nagaland, que é um local a 5000 km da nossa cidade. Fizemos essa turnê ao nordeste da Índia em 2011,  realmente muito longe. Nos levou cerca de cinco dias e quatro noites para chegar lá. Ufa! Fico enjoado só de pensar nisso.

Como você promove sua banda e shows?
Nós fazemos isso até agora através das redes sociais. Temos também outros meios, como panfletos e anúncios, materiais impressos, notíciários e revistas que circulam pela cidade  específica em que fazemos um show .

Você tem alguma música favorita do novo álbum?
Bem, eu acho que seria muito injusto nomear qualquer uma, ou algumas músicas em particular, já que cada música neste disco foram, por si só, intrinsecamente traçadas nas nossas vidas. Elas são , como partes das nossas vidas, então, sim, nós amamos todas as músicas deste álbum. Cada música tem seu espaço em diferentes esferas das nossas vidas.
E o processo de composição ? Onde você costuma buscar inspiração para compor?
Nós amamos passar um tempo no estúdio trabalhando em um material novo, é mais uma desculpa para nos afastarmos das nossas vidas normais e saltarmos para os reinos da divindade. Nós não nos limitamos em termos de inspiração, nós gostamos de manter as opções em aberto. Às vezes tudo dá errado, mas é aí que está a beleza da coisa.

Descreva o processo de gravação do álbum. Ele foi gravado em seu estúdio caseiro? O álbum foi produzido por vocês?
Gravamos no Xandrin Studios em Bangalore, que é dirigido pelo nosso baterista, o Jared . É praticamente a nossa base, nós ensaiamos e gravamos lá. Rocky Gray do Living Sacrifice (ex- Evanescence) produziu o álbum.

Você incorporam algum instrumento indiano original neste este álbum?
Sim! Usamos instrumentos como sitar, sarangi, flauta, gravador, coral hindustão indiano e carnático Alaaps, bem como uma orquestra de câmara inteira.

Suas músicas falam sobre o que? Vocês cobrem algum tema específico?
Cada canção é interligada à faixa-título, " Empty Graves". Ela basicamente gira em torno dos intensos momentos de orgulho, dor , remorso, derrota e falta de sentido e como Deus pode restaurar nossas vidas através de seu amor incondicional através de tudo isso.

Antes de eu entrar em detalhes , eu gostaria de compartilhar como este título, Empty Graves, surgiu. Vínhamos trabalhando neste álbum com o título “Refresh” em mente, mas um dia, quando eu estava tendo uma conversa normal com Deus, Ele revelou algo muito inspirador. Eu estava na minha barragem habitual desfogando minhas frustrações, e Ele me perguntou qual era o núcleo da fé cristã, então eu respondi que era a ressurreição,  que faz a diferença de Jesus  vencer o pecado na sua vanglória. Foi quando eu percebi que o termo " túmulo vazio " não é atribuído a ninguém na história a não ser ao nosso Senhor Jesus.

Agora, a próxima coisa me constrangeu. Ele mostrou que nós, como Seus seguidores , não estamos andando em vitória; em vez disso, aceitamos a derrota e acabamos nos sufocando em nossos problemas, e talvez, dificilmente, acabamos na redenção. Nós não fomos feitos para viver a vida assim, então eu percebi que Deus não quer que nos afundemos na  nossa agonia, mas sim que alcançemos a vitória por intermédio dele, e que isso só é possível quando aprendemos a aceitar isso.

A maioria das bandas diriam que cada álbum é melhor do que o anterior. Isso é válido para este álbum ?
Infelizmente, sim. Isso porque é um desafio manter seus fãs animado sobre cada música nova que você escreve. Ela precisa ser recente , e você tem que pensar diferente para fazer a diferença.

Você tem planos para a turnê do álbum nos Estados Unidos?
Sim, nós estamos planejando isso para o início de 2014. Gostaríamos muito de estar nos EUA.

Qual você acha que foi a sua maior oportunidade até hoje em sua carreira musical?
Cada dia tem sido um milagre para a banda. Deus nunca deixa de nos surpreender e nos agradar.

Qual é seu ultimato para sua banda? No final do dia, o que o sucesso pacere para você?
É apenas seguir Jesus , não importa o quê aconteça. Sucesso para nós não se limita ao materialismo. Se as pessoas saem dos shows com nada além de  Jesus em seus lábios , eu acho que fizemos a coisa certa.
Acima de tudo, queremos compartilhar o amor que transcende através de Jesus mais do que qualquer coisa . Essa é a chave.

Qual tem sido o seu maior desafio como uma banda ? Você foi capaz de superar esse desafio?  Se sim, como?
Nosso maior desafio é manter constantemente os nossos olhos fixos no objetivo por trás da música e das nossas vidas .

É um processo diário, e sim, ele nunca acabará, até morrermos. Surpreendentemente, não muitas coisas ficam com você até a morte, independentemente da vitória ou derrota.

Trad por  Paulo Henrique
Col: Norman Lima

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Please 'Like' all the time... If necessary, use words...

News

Instagram

Postagens populares

Pesquisar este blog