[SIN] KILLER: [interview] Scott Stapp - Um salto para morte, vivo pra contar a históra.

quinta-feira, novembro 14, 2013

[interview] Scott Stapp - Um salto para morte, vivo pra contar a históra.

THE SCAPEGOAT

 
Photo by Jeremy Cowert

Andrew Schwab do Projeto 86 falou com o ex-vocalista do Creed, Scott Stapp





Scott Stapp passou por alguns dos maiores `altos e baixos` que qualquer ser humano pode experimentar. Mesmo se  você não é um fã  de sua  banda Creed  ou sua música solo, você tem que admitir que a venda de 50 milhões de álbuns, e ganhar um Grammy são conquistas que maioria dos seres humanos só  sonha.  Stapp é a prova viva, no entanto,  esses sonhos podem rapidamente tornar-se pesadelos absolutos, especialmente se o seu coração está no lugar errado.
Como sua antiga banda subiu às alturas da cultura pop, Stapp desceu em um mundo de drogas e alcoolismo que quase o levou à morte. Esta desgraça atingiu seu clímax brutal  em 2006, quando ele se jogou de uma janela de 10 andares de um hotel durante múltiplos dias de bebedeira . Ele foi encontrado, pingando sangue e deitado em uma varanda, do rapper TI, que, como se vê, era um mensageiro direto de cima. Depois de uma longa recuperação, Stapp descobriu a cura, renovação, sobriedade e fé verdadeira. Eu conversei  recentemente com Stapp para discutir seu novo álbum solo, Proof of Life, sua autobiografia sem censuraSinners’ Creed o mais importante, as lições que ele aprendeu com seus erros.
Seu novo álbum, Proof of Life, para aqueles que não estão familiarizados, basicamente conta a história sincera de seus altos e baixos públicos  e muito marcado  em toda a sua jornada com Creed e mais além. Em que momento você se sentir como você queria contar a sua história através de um álbum solo?

Em que momento você  sentiu que queria contar a sua história através de um álbum solo?

Bem, eu acho que isso aconteceu organicamente. Quando eu estava contando a minha história através da minha autobiografia, Creed Sinners (que saiu em outubro passado), eu acho que foi o começo  de quando a música estava ocorrendo.  Eu realmente não estabeleço  contar a minha história, por si só, eu só, sempre,  escrevo  a música com o coração, falando honestamente sobre a minha vida. O que torna este álbum original é que eu um passo decisivo como um ser humano. E eu acho que está muito refletido nesse recorde.
É este álbum um complemento para o livro? Como os dois estão separados um do outro? Há alguma histórias, idéias ou sentimentos compartilhados no álbum que não pode ser encontrado no livro?
Um não poderia ter acontecido sem o outro. Sem o livro – e o processamento que fiz sobre o último capítulo da minha vida - eu não teria sido capaz de expelir a música e dar  uma voz para canção. O disco é essencialmente uma continuação do livro. É tipo como um  último capítulo, ou um resumo.
No entanto, existem algumas coisas que me dirijo no álbum que eu não mencionei no livro. Por exemplo, a canção "Who I Am" olhar para o meu próprio ego e domínio  que ele teve sobre mim. Acho que com essa canção que eu dei o meu ego  uma voz. Essa foi uma das primeiras músicas que eu escrevi,  quando  me abordei na letras como um personagem.

É este álbum um complemento para o livro? Como os dois estão separados um do outro? Há alguma histórias, idéias ou sentimentos compartilhados no álbum que não pode ser encontrado no livro?

Um não poderia ter acontecido sem o outro. Sem o livro – e o processamento que fiz sobre o último capítulo da minha vida - eu não teria sido capaz de fazer  a música e dar  uma voz para canção. O disco é essencialmente uma continuação do livro. É tipo como um último capítulo, ou um resumo.
No entanto, existem algumas coisas que me dirijo no álbum que eu não mencionei no livro. Por exemplo, a canção "Who I Am" olhar para o meu próprio ego e domínio que ele teve sobre mim. Acho que nessa canção, eu dei o meu ego uma voz. Essa foi uma das primeiras músicas que eu escrevi, quando me abordei na letras como um personagem.

Tem  algum momento nesse disco, que quando você para para escutar, aonde você se sente como se você tivesse feito grande avanço como músico que nunca foi  capaz  antes?

Eu sou sempre hipercrítico. Houve momentos em cada recorde ou até mesmo músicas inteiras que Eu gostaria de ter feito de forma diferente. Este é o primeiro disco que eu fiz prontamente, depois de algum tempo e espaço, e ouvindo com ouvidos ultra-críticos onde posso dizer que não há nada que eu mudaria. Eu acho que fala com o quão duro eu trabalhei neste projeto e quanto eu coloquei nele, até o ponto onde houve momentos durante todo o processo que eu me sobrecarreguei, e não sabia se eu ia terminá-lo. Custou muito de mim emocionalmente, mentalmente e fisicamente. Eu não gostaria de reviver como eu fiz isso de novo, mas eu sei que cresci como artista durante o processo.

Você conseguiu grandes coisas em sua carreira, tanto quanto as vendas de discos. Você ganhou um Grammy. Você realizou coisas que outros artistas só podem sonhar. Você deve ter se sentido invencível. Mas em algum momento houve uma mudança acentuada na percepção do público a respeito de sua banda e você pessoalmente,  durante a sua carreira com o Creed. Isso chegou a um ponto onde as coisas estavam ocorrendo fora do palco que não só desviava  pessoas das, mas até ofuscava sua música. O que você acha que foi o ponto de viragem?

Acho que foi uma série de coisas. O velho ditado "o orgulho vem antes da queda" soa tão verdadeiro. Quando você chegar a um ponto onde perde a sua gratidão e perspectiva e você está cercado por "sim" das pessoas, tudo isso só alimenta o ego. Acho que até a pessoa mais humilde pode ser arrastado em tudo. Se você olhar para a história do rock and roll, você vai ver isso acontecer inúmeras vezes com os artistas que conhecemos e amamos, quanto mais ainda, um sucesso momentâneo de quem você nunca ouviu falar. E em 50 por cento dessas histórias, as pessoas acabam mortas.

Foi muito público para mim. Eu fui a um lugar escuro e sombrio, e eu não sabia como sair. Eu tinha acumulado riqueza, tive muita influência, e não tinha ninguém para me falar a verdade. Essa combinação pode literalmente matar qualquer um.

Eu descobri, quando as coisas se tornam tudo sobre mim, que é quando os problemas acontecem. Eu agora olho para a música como um dom e uma benção, e uma oportunidade para servir e partilhar. Quero compartilhar minhas falhas, meus erros e tudo o que posso para inspirar aqueles que têm dado muito para mim. Esta indústria deu-me muito e eu preciso dar a volta. Foi assim necessário, o que aconteceu comigo; se eu não tivesse passado por essas coisas, eu não seria capaz de fazer a música que eu estou fazendo hoje.

Eu carreguei muita culpa e vergonha por um tempo muito longo. Eu não queria nem sair fora. Eu sentava sozinho para beber em minha casa. Eu me senti como um excluido social. E se capaz de passar  por tudo isso e ter gratidão agora... Isso me fez uma pessoa tão melhor. Agora, eu não olhe para trás com raiva ou ressentimento ou arrependimento. Eu tento usar essas memórias como uma fonte de força, porque eu sei que eu não vou fazer no futuro, e eu sei o quanto eu tenho que dar agora como artista.

É preciso coragem para enfrentar seus próprios demônios, as decisões ruins que você tomou... Você tem sido público sobre sua luta com abuso de drogas e depressão. Em que ponto você olha a sua volta e diz: "Como cheguei aqui?" Em outras palavras, qual foi o seu fundo do poço?

Eu tive mais de um. Você chega ao seu fundo do poço quando você decidir parar de cavar. Para mim, eu atingi alguns fundos mais do que outras pessoas (que não são tão cabeça-dura) que teria considerado o ponto de virada. Mas eu mantive a cavar. Porém o que levantou minha vida foi o verdadeiro grito de alerta. Eu estive incapacitado por 12 meses, e três deles eu mal conseguia falar. Eu tive que ficar acamado sozinho com meus pensamentos e pensar em como eu cheguei lá. Eu não podia me mover ou andar. Isso me deu bastante perspectiva. Cheguei a um ponto que eu não podia continuar culpando os outros mais, porque tudo se voltou para mim e para as decisões que tomei. Eu finalmente sai da negação, encarei as situações que eu estava dentro. Se Você chegar a esse ponto, você pode realmente começar a crescer e se curar como um ser humano.

Um particular interior para você, como você acabou de mencionar, é a noite em que você pulou de uma janela do 10 º andar e, milagrosamente, viveu. Descreva os momentos que antecederam aquela noite: a sua mentalidade, seus pensamentos, sua decisão de saltar.


Eu estava em um apagão quase absoluto por dias a fio. Eu estava entrando e saindo de coerência. Eu estava nas drogas e álcool constantemente. Eu não tinha dormido durante muitas noites. Eu tinha passado do ponto de suicídio lento - que é o nome do meu atual single - e se transformou  para “Esse é o fim”. Eu estava tão preso a doença do alcoolismo e da dependência que não podia ver que ele estava tentando  me matar. E estava prestes a suceder.
Você está em um lugar psicótico quando você tem todos os produtos químicos em seu corpo e você está privado de sono. Você é uma pessoa possuída. Quem estiver nas  drogas e álcool não reflete a pessoa que você é fora deles. Eu acho que é um equívoco comum daqueles que não se cruzaram com o vício que tem. As pessoas que estão nas drogas e álcool estão em um estado de psicose mental. Quando você se livrar dessas coisas, a pessoa real pode voltar, mas eles têm de lidar com o rastro de destruição que deixaram atrás deles, e as pessoas feridas ao longo do caminho.

Você professava ser cristão desde muito jovem. Sua banda foi rotulada de cristã por muitos. Mas você já chegou num ponto onde você queria se distanciar desse rótulo - um rótulo que não é necessariamente uma forma positiva na mídia em geral? Você já se sentiu dessa forma, - por causa do respeito dos outros e em torno desta indústria - você só queria provar que você era simplesmente rock and roll, mesmo à custa de suas próprias crenças? Alguma vez você saiu do seu caminho para tentar mostrar às pessoas: "Não, eu não sou um artista cristão, eu sou apenas um artista. Eu sou real?

Eu fui criado no "Cristianismo", mas estava longe de ser o verdadeiro cristianismo. Era abuso emocional, físico e espiritual.
Que é de onde  o conflito dentro de mim veio. Embora eu tivesse sido criado na fé, eu não queria ter nada a ver com isso. Como alguém poderia querer associar-se com algo que os representantes daquela coisa estão habitualmente batendo em você em todos os sentidos? Isso não é cristianismo! E Se  fossa alguma coisa, era  como Jim Jones. Foi  mais de um culto.

Nós não começamos, de forma alguma a ser associado com o cristianismo. Nós éramos apenas uma banda de rock and roll amarrada num num estilo de vida rock'n roll. Sexo, drogas e música. Isso era o tudo sobre nós. Mas, em momentos a sós, eu não poderia escapar do que eu estava lutando com, dentro de mim. Eu estava tentando lidar com a dura e abusiva religião, excessivamente dogmática que era enfiada goela abaixo.

Quando você comete abuso, você sempre se pergunta: "Por que essa mulher fica com este homem? Ele bate demais nela. Mas então ela chora para à polícia:" Não levá-lo embora! " Como ela sangra no seu rosto, porque ele quebrou a cabeça e bateu até os dentes sair pra fora. Como você figura isso? Essa foi a mesma coisa que estava acontecendo comigo, como um escritor da época. Embora na minha vida, eu não estivesse se rebelando contra o Cristianismo, eu ainda era aquela mulher espancada, pensando: "Bem, talvez eu esteja errado ...”

E ainda dentro de tudo isso, ainda havia algo a dizer-me que Deus era a resposta e a forma como fui criado não era. Então, isso continuou saindo de mim como um escritor que estava derramando seu coração em sua música. Eu acho que é aí que a confusão veio, porque eu estava confuso. Eu estava apenas tentando ser uma banda de rock e escrever com o coração. Eu não acho que "banda cristã" foi o rótulo correto, quando foi dado, mas olhando para trás, letras e conflitos internos que eu estava tendo, eu posso ver o porquê das pessoas imaginar o contrário. Eu estava em busca de "algo maior", mas não a Deus como eu o entendia na época.


Como sua jornada de fé evoluiu  ao longo dos altos e baixos de sua carreira até agora? Você ainda se considera um cristão? Se sim, como você define esse termo?

Eu sou um cristão completo. Eu absolutamente tenho um relacionamento com Jesus Cristo e aceitei Ele como meu Senhor e salvador. Eu finalmente fui capaz de conciliar isso com a minha formação e separar os dois. A realidade de Cristo, da Igreja e a que a Palavra diz , é muito diferente do meu histórico.
Agora, isso não significa que eu escrevo canções proselitistas. Se isso sai de mim, sai porque é orgânico. Não é uma agenda. Eu também sou apenas um artista de rock and roll secular . Eu não acho que nós precisamos classificar e categorizar cada pessoa que professa a fé e faz música.

Há aqueles que sentem um chamado em sua vida para pregar e compartilhar Cristo diretamente. Eu busco inspiração como artista, e ela sempre reflete com precisão o que realmente está acontecendo na minha vida. No novo registro, não há dúvida alguma no material que é diretamente sobre o meu relacionamento com Deus e onde estou espiritualmente, mas isso é apenas honestidade, sem obrigação. Eu não abordo em cada música uma ideia preconcebida para fazer isso. Eu sou apenas grato a Deus por Ele poder me usar, apesar de mim mesmo. Eu sou grato por ser inspirado por minha fé em Deus e pelo que Cristo fez na minha vida.Você tem algum conselho específico para os leitores que lidam com o abuso de substâncias e / ou depressão neste momento?

Acho que a primeira coisa que eu posso dizer é:  peça ajuda. Não tenha vergonha de pedir . Não tenha medo de compartilhar com alguém o que realmente está acontecendo com você. É normal,  Não há nada a se sentir culpado ou vergonhoso. Informe o seu pastor, o seu professor ou seu melhor amigo. Não é uma sentença de morte, você pode sair. Não se sinta preso, e não sinta que não há uma solução, porque tem. O primeiro passo é apenas levantar a mão e dizer: "Eu preciso de ajuda." Simples assim.

De algum jeito não tem como controlar a forma como as pessoas lembrarão-se de você. Você não pode ter de volta as decisões que você fez. No seu caso, você fez um monte de decisões publicamente, certas e erradas, que em alguns sentidos se solidificou seu legado. Mas, em outros sentidos, o livro ainda está sendo escrito. Quando as pessoas mencionam o seu nome  em 10 anos na estrada,  quais as  palavras ou imagens que você quer ser associado?

Fora desta indústria em geral, 99%  por cento das pessoas que  pensam sobre  música, falam em meu nome. Então eu tenho que garantir  que não vou aceitar  1 %  se a minha imagem não for como realmente, é meu legado.
No fim do dia, eu só quero ser lembrado como alguém que derramou o seu coração e alma em sua música e era honesto em tudo o que ele fez.

"Article translated and reprinted with permission from HM Magazine."


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Please 'Like' all the time... If necessary, use words...

News

Instagram

Postagens populares

Pesquisar este blog