[SIN] KILLER: [interview] Ultimatum "We are to be an example to others, not hide in our Christian bubbles"

sábado, setembro 01, 2012

[interview] Ultimatum "We are to be an example to others, not hide in our Christian bubbles"

English interview http://untombed.com/archives/7174  W/ Scott Waters  by Untombed webzine.

Vamos voltar nossa atenção para os `20 anos como uma banda de metal cristão`. Que mudanças você viu na cena do metal cristão nos últimos 20 anos; de bom ou ruim?


Scott: Deixou de ser uma cena menos exclusiva. Nos anos 80, o Christian metal era quase como um clube exclusivo e não havia esta lacuna enorme entre as bandas"secular" e "cristã". Bandas cristãs em selos cristãos tocando para uma sala cheia de cristãos numa igreja. Nunca deveria ter sido dessa forma . Embora seja importante para elevar e edificar outros crentes, nós também estamos "indo pregar o evangelho ..." Você vê muitas bandas de hoje com uma mensagem cristã agora fazendo turnês com outras bandas, tocando em clubes, sendo uma testemunha com a sua vida, chegando a um mundo ferido ou apenas ser uma influência positiva em um cenário atormentado com negatividade.

Ultimatum sempre foi uma banda de heavy metal. Somos cristãos e nossas letras refletem isso. No entanto, não estamos em nenhum gênero separado de outras bandas de heavy metal que cantam sobre outros temas. Temos partilhado o palco com todos os tipos de bandas que tenham qualquer número de diferentes crenças. Esse é o jeito que deve ser. Temos que ser um exemplo para os outros, não se esconder em nossas ‘bolhas cristãs’. Quando Ultimatum tocava em clubes, nós muitas vezes ajudávamos outras bandas no set up e break down de seus equipamentos. Isso é ser um servo, ao invés de ser um esnobe. As pessoas não se importa com o que você sabe, até que eles vejam que você é uma pessoa sincera que realmente acredita no que você está pregando. É sobre servir os outros e agradar ao Pai, não sobre ser parte de alguma cena exclusiva.

Assim sendo, é bom ver bandas cristãs que cantam sobre outras coisas do que apenas "“turn or burn”" e "rock, rock for the Rock". Não há nada de errado com essas letras, mas Deus nos deu tantas coisas boas para cantar. Não há nada de errado com escrever uma canção sobre relacionamentos, questões sociais, emoções, natureza ou qualquer outra coisa. No nosso caso, porque eu escrevo a maioria das letras, e eu sou um cristão, mesmo quando eu escrevo sobre temas fora da Bíblia, minha fé ainda é vista nas letras. No novo CD que sai em outubro, há uma canção chamada "Blood on 1000 Hills". Fala sobre os genocídios em Rwandan, em 1994, em que cerca de 800.000 pessoas no Leste Africano foram abatidos. Eu li uma história sobre uma igreja cujos membros foram mortos a tiros, enquanto se refugiaram no interior do santuário. Os Soldados encheram o prédio de balas, deixando centenas de mortos. No entanto, as poucas pessoas que viviam através dela não desistiram. Eles não perderam a fé. Em vez disso, eles confiaram em Deus e avançaram com as suas vidas e começaram a reconstruir sua igreja. Eles têm esperança em Jesus. Assim, enquanto que a música é sobre uma tragédia terrível e não é necessariamente baseada na Escritura, as letras também mostram o lado da esperança e cura.

To read the interview in English click here.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Please 'Like' all the time... If necessary, use words...

News

Instagram

Postagens populares

Pesquisar este blog