[SIN] KILLER: Entrevista - Norma Jean, Um som não pode acreditar em algo...

terça-feira, maio 06, 2014

Entrevista - Norma Jean, Um som não pode acreditar em algo...


Fonte : http://www.metalinjection.net/interviews/norma-jeans-cory-brandan-a-sound-cant-believe-in-something

By POSTED BY J.ANDREW ZALUCKY


Cory Brandan Putman é o vocalista do Norma Jean desde o seu lançamento de 2005, O God, The Aftermath assumindo assim o papel principal em uma das bandas de metalcore mais influentes por volta de 2000. Desde então, o Norma Jean continuou firme, construindo seu legado com um som característico incorporado no passado, o excepcional Wrongdoers.
E caso você não saiba, esse foi um dos meus discos favoritos de 2013. Mas sempre teve algumas coisas que eu queria saber sobre a banda. E uma vez que ele parece ser um cara tão legal, pensei no que gostaria de perguntar pra ele!

Metal Injection: Olá Cory, em primeiro lugar quero reiterar o quanto eu amo o novo álbum (como escrevi na minha crítica no ano passado), e gostaria de começar perguntando, de onde vem a inspiração para as letras ? Que tipo de lugar, vocês escreveram as letras para canções como " Sword in Mouth, Fire Eyes" e "Neck in the Hemp?"

Cory Brandan: Sim! Agradecimentos muito pelo review incrível. A letras do Norma Jean   sempre são escritas na sua maior parte em grupo. Nós sentimos que dessa forma tocamos as músicas com mais paixão, uma vez que todos estão na mesma página e o mesmo propósito para as letras. " “Sword in mouth…” foi inspirada por uma pequena citação de CS Lewis para o efeito "se você está no caminho errado, o primeiro a virar e cabeça para o caminho certo é o mais progressista" Eu gostei da idéia de que mesmo embora nós permanecemos em um caminho de luta, às vezes, pelo menos estamos destemido o suficiente para ir contra a corrente e continuar para a direita. Eu escrevi essa sozinho e compartilhei com os outros, foi a sessão de escrita mais fluida que eu já tive. Ela apenas saiu! "Neck in the Hem" é, basicamente, um tipo de música, "daqueles dias. Se você está nervoso, soltar isso através da música é o melhor remédio na minha opinião.


MI: Eu nunca vi o Norma Jean como uma espécie de banda enfadonha ou pedante, mas eu gosto do senso de seriedade moral e urgência que você projeta na sua música e letras. Você acha que isso é algo que qualquer fã (cristão ou não-cristão) pode abraçar?

CB: Eu acho. Nós sempre vimos o Norma Jean como um canal para nós. Eu já disse antes que, embora eu acredite que a música pode evocar emoções, eu não acho que ele pode ter uma crença. Um som não pode acreditar em algo. Então, nós apenas tentamos explorar as emoções certas por meio do conteúdo e temos certeza que não estamos jogando nossas letras abaixo, e que não vamos se preocupar com isso um dia. Tentamos deixar as músicas abertas à interpretação, assim como uma pintura pode ser interpretada de muitas maneiras diferentes, pensamos que a música e o conteúdo são os mesmos. Todo mundo é diferente...


MI: Eu sempre quis saber, vocês nunca se cansam de tocar certas músicas? Já teve alguma noite em que você desejou simplesmente não tocar " Memphis will be laid to waste?" (Nota: por favor, não parar de tocar ela)

CB: Haha! Nos alimentamos da energia das pessoas nos shows. Então, se os fãs não estão sentindo isso, muito menos nós. Enquanto todos continuam perdendo suas mentes quando tocamos "Memphis ..." Vamos continuar tocando e amando ela. Também incluimos todos os nossos registros e amo tudo que já fizemos. Eu não diria que estamos entediados das músicas antigas, mas nós definitivamente não praticamos mais elas.

MI: Quais são algumas das suas músicas favoritas para tocar ao vivo nos dias de hoje? Eu acho que  "Amnesty Please " poderia realmente levantar uma multidão. 

CB: A “Wrongdoers” do novo álbum é definitivamente uma das minhas favoritas. Eu ainda amo A Small Spark vs. A Great Forest” do Redeemer.
Durante o ano passado tivemos que começar o nosso set com três músicas que enfiamos juntas, do qual nós batizamos de "o threefer reefer" (que é o que ele diz sobre o setlist) - é um riff sulista que tocamos no final do novo registro que que chamamos de "Stonedog", metade da canção "Disconnecktie" (do O God, The Aftermath) e depois uma intro " Anthem Of The Angry Brides” (Meridional. É um lance divertido! E, provavelmente, se aposentará após a turnê que estamos no momento. Nós só tocamos " Amnesty Please " algumas vezes e não gostamos da sensação ao vivo no momento. Talvez isso mude. Eu vou ver isso! Eu não tenho a papelada para fazer isso. 


MI: Muito tempo se passou desde a grande explosão do metalcore, nos anos 2000. Você teve a preocupação se manter fresco e relevante como o passar dos anos?
Eu vou ser honesto e dizer que houve um momento em que pensei, com certeza, mas optamos por criar algo que fosse nosso . Achamos que com os dois últimos registros, pelo menos, intensificou  tudo  que é Norma Jean. Nós gostamos quando alguém escuta  uma música e diz "sim,  é deles" queremos continuar a expandir-se nisso e continuar a fazer coisas que nós amamos.

MI: Nesse espírito disso, quais são seus planos para este ciclo do álbum? Vocês vão começar a escrever novamente em breve?

CB: Nós queremos bater o Canadá antes de fazer qualquer coisa. Nós não temos ido lá já faz uma cara. Precisa acontecer. Nós vamos fazer alguns outros shows aleatórios dos EUA e aí sim, nós gostaríamos de começar a escrever, mesmo se a gravação não rolar num futuro próximo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Please 'Like' all the time... If necessary, use words...

News

Instagram

Postagens populares

Pesquisar este blog